Início    Sobre    Pergunte
About: 

Quem sou     

"Spin Madly On" theme by Margarette Bacani. Powered by Tumblr.
“Suas roupas de marca vão ficar cafonas, os móveis de madeira italiana vão virar pó, seu carro vai parar no ferro velho e nada disso significará nada pra ninguém, tudo vai virar pó assim como você. O que fica é a mão que você nunca negou estender, é o sorriso que você deu pra todo mundo sem ligar pro poder que o outro tinha ou não, o que fica é a energia boa que você emanou, a parceria que você sempre dedicou no luxo ou no lixo, o que fica são os ensinamentos de simplicidade, de grandeza e da real riqueza. O que fica é o que você foi e não o que você teve.” —Hariana Meinke
“Você tem 5 minutos para mergulhar na tristeza profunda. Aproveite, desfrute, descarte… e siga em frente.” —Elizabethtown
“E sem lhe dar tempo ao pânico, libertou-se da matéria turva que o impedia de viver. Confessou que não passava um instante sem pensar nela, que tudo o que bebia e comia tinha gosto dela, que a vida era ela a toda hora e em toda parte, como só Deus tinha o direito e o poder de ser, e que o gozo supremo de seu coração seria morrer com ela.” —Gabriel García Márquez em Do amor e outros demônios
“Eu sou assim, meio incomodada. Incomodada com a falta de verdade nos olhos dele, com a falta de sinceridade no peito dela, com a falta de vontade na maior parte de nós. Sou incomodada com quem diz gostar de algo só porque é legal gostar, com quem diz amar alguém só porque é propício amar, com quem diz sentir saudades só porque não tem mais o que falar. É verdade, eu sou incomodada pra caramba. Incomodada com quem quer mas não se esforça, com quem acredita mas não insiste, com quem não crê e, então, desiste. Mas aquele que mais me incomoda não cabe em nenhum desses que acabei de citar: é aquele que ama, mas finge não amar.” —Clara Ayroza
“Tem gente que é assim… Faz da linha mais crua, o quebra-cabeça mais complicado. Faz do sentimento mais puro, a dor mais dilacerada. Faz do pensamento menos constante, a saudade mais desesperada. E em meio a tanta intensidade, tanta confusão e tanto peso, acaba esquecendo que a beleza das coisas é mais visível do que a gente pensa. E que, no fundo, a simplicidade é a parte mais genuína e amável da vida. E que o amor não permite decomposições ou análises sintáticas: ele existe, a gente sente e ponto.” —B. de Azevedo